Monthly Archives: August 2006

Mobilização em massa

Representantes dos principais meios de comunicação do país (ao menos dos meios que mais atingem as massas – tevê, rádio e imprensa) elaboraram e divulgaram ontem um texto manifestando a insatisfação da mídia com os recentes atos de violência no país. O comunicado, intitulado “Basta à Violência”, convoca a sociedade para ajudar a agir contra a inércia dos agentes públicos (!) e é assinado pela ANJ (Associação Nacional de Jornais), ANER (Editores de Revistas), ABERT (Emissoras de Rádio e Televisão), ABRA (Radiodifusores) e ABRATEL (Radiodifusão, Tecnologia e Comunicações). Ele foi transmitido ontem pela tevê em rede nacional minutos antes do horário eleitoral gratuito.
Hoje, a mensagem foi reproduzida nas capas de vários jornais impressos do país.
Alguns desses jornais são:
Zero Hora (Porto Alegre)
A Tribuna (Santos)
Amazônia Hoje (Belém)
Comércio da Franca (Franca)
Diário do Alto Tietê (Suzano)
Diário do Grande ABC (Santo André)
Diário do Nordeste (Fortaleza)
Diário dos Campos (Ponta Grossa)
Extra (Rio de Janeiro)
Folha de São Paulo (São Paulo)
Gazeta do Povo (Curitiba)
Jornal da Cidade (Bauru)
Jornal NH (Novo Hamburgo)
Mogi News (Mogi das Cruzes)
O Estado de São Paulo (São Paulo)
O Globo (Rio de Janeiro)
O Liberal (Belém)
O Popular (Goiânia)
O Regional (Catanduva)
(Confira as capas no Newseum)

É a mídia assumindo seu papel de quarto poder!? 😛

Marcadores:

Ataque à liberdade de imprensa?

Grande sacada essa a do Primeiro Comando da Capital. Ao seqüestrar um jornalista de um importante veículo do país, eles garantiram não só uma intensa cobertura midiática (afinal, Rede Globo é Rede Globo), como também contribuíram para aumentar/espalhar o terror em todo o Brasil. O PCC já conseguiu dominar a mídia. Mais alguns dias e eles estão tomando conta do governo também…

— em tempos virtuais: o vídeo foi parar no YouTube. Mas foi removido por infringir os termos de uso do site. A página da Wikipedia sobre o PCC já foi atualizada quase 50 vezes desde o seqüestro.

Marcadores:

Crise dos 20 anos (?)

Não sei o que houve com a minha “capacidade discursiva”. Mas nunca tinha passado tanto tempo sem postar aqui no blog. Quer dizer, já tinha ficado até mais de uma semana sem dizer nada, mas nunca de forma injustificada. Nunca deliberadamente .
Meus últimos dias foram bastante confusos. Não sei mais o que é prioridade e o que deve ser relegado a um segundo (terceiro, quarto) plano em minha vida. De uns dias para cá (mais especificamente, desde que voltaram as aulas), sinto que sou cada vez menos o que eu era até pouco tempo atrás. (Grande novidade: estou mudando constantemente :P). A inversão de valores (ou o que quer que tenha acontecido) é tal que já nem sei mais o que é importante em minha vida.
Vai ver essa é a tal crise dos 20 anos* 😛 (um pouquinho antecipada, mas ao menos acho que é assim que me sinto…).

Da revista Época de 7 de março de 2005:

“A crise dos 20, que pode vir aos 22 ou aos 25, é a primeira da vida adulta e retrata a desilusão do jovem com a realidade. Nesse momento, ele vive uma frustração para a qual não enxerga saída.”

* também pode ser a crise dos 25 :P²

Outra corrente do Orkut

Com um título que é um verdadeiro “estrupo” ao português escrito (“Quem fusa no seu orkut”), recebi esta corrente agora há pouco por e-mail:

“se vc quer a relaçao completa de quem fuça seu orkut,e quantas vezes
essa pessoa fuçou é simples,mande isso para 15 pessoas em seguida e
aperte a tecla f5,o orkut lhe enviará automaticamente não os ultimos e sim
todos que te visitaram,no dia,é incrivel.” (sic)

Porque esta corrente é absurda:
1. Qual o sentido de pedir para mandar para exatamente 15 pessoas, visto que 99,9% dos seres alienígenas que repassam correntes pelo Orkut utilizam o sistema de mensagens ao invés dos multideletados e apocalípticos scraps? (caso não tenha ficado óbvio ainda: o sistema de mensagens permite o envio para todos os amigos de uma vez só… por que então não pedir para enviar para todos, ao invés de enviar para 15? Por que 15?? (por que não 16, 17, 1 milhão, 37, 5?)
2. Esta é outra corrente que usa a excelente sacada de pedir para o analfabeto tecnológico pressionar F5 ao término do processo. Desse modo, a página em que ele está será atualizada (como num passe de mágica!), e, enquanto espera pela lenta abertura da próxima página (provavelmente um ser assim usa Internet discada) ele pode imaginar o que de emocionante estará escrito na página seguinte a ser aberta.
3. Depois de apertar F5, a relação completa de quem “fuçou” o meu Orkut será enviada por onde? Pelo correio? 😛
4. (Hipótese absurda, mas…) será que tem alguém idiota o suficiente para achar que, se depois de apertar F5 aparecerem só os últimos 5 que visitaram o perfil dessa pessoa, isso significaria que apenas 5 pessoas visitaram o perfil dela (e de todo mundo… uau! que coincidência!) naquele dia? (nunca se sabe).
5. Ia ser realmente interessante (mas totalmente desnecessário, diga-se de passagem – Orkut não é Big Brother!) poder ter acesso a uma lista destas. Mas, pense bem: o Orkut vive dando erro. Se os servidores já não agüentam o tráfego intenso de pessoas do jeito que já é, imagina como seria se eles ficassem armazenando páginas e mais páginas com listas intermináveis de pessoas que visitam perfis de pessoas mais populares. Pense em quantas pessoas visitam o perfil do Orkut (o cara) por dia. Agora pense na quantidade de lixo virtual desnecessário que a lista do total de pessoas que acessaram a página dele num determinado dia (e quantas vezes acessaram!) produziria. Agora multiplique esse número por 25 milhões (número aproximado de usuários no Orkut, incluindo os fakes – porque fake também tem perfil e também influencia a rede!). Será que valeria a pena atravancar os servidores para algo tão fútil e bisbilhoteiro?
6. E, pô, não tinha um verbinho melhor do que “fuçar”? Bisbilhotar, talvez? Sondar, esquadrinhar (ãn?), visitar, investigar, inspecionar, observar, contemplar, admirar, espreitar, espionar, espiar, examinar, analisar, enfim, há várias possibilidades. Fuçar é muito “cachorro metendo bedelho onde não é chamado”. Fusar, então, nem se fala 😛

Nova entrada no dicionário absurdo das correntes por e-mail (ou por Orkut):

Fusar v.t. Ação ou efeito de fazer a fusão entre dois elementos. Ex.: Para fazer uma bomba atômica, é preciso fusar os elementos X e Y.

Marcadores:

Para imprimir e guardar

Assim como o El País, agora o Guardian Unlimited também oferece uma versão online sempre atualizada do jornal para imprimir. O G24 é dividido por editorias e reúne as últimas notícias dos jornais Guardian, Guardian Unlimited e The Observer. Os pdfs disponíveis são: Top Stories, World, Media, Business e Sport. A versão eletrônica imprimível do El País 24 horas é mais direta. Basta clicar no link para poder baixar, ler e imprimir a última edição completa do jornal virtual em pdf. Há também o Le Monde en PDF. Mas a versão online imprimível do Le Monde é na verdade um simulacro de jornal eletrônico para impressão: além de ser atualizado apenas uma vez por dia, é preciso pagar pelas edições virtuais. Que tal seria uma Folha Online 24 horas? 😛 E haja folha para imprimir tanto jornal!…

Comunicação de massa individual

Em um artigo da edição de agosto de 2006 do Le Monde Diplomatique, o sociólogo, professor e pesquisador espanhol Manuel Castells fala sobre a emergência dos chamados meios de “comunicação de massa individual” (mass self communication). Com as facilidades criadas pela Internet (mais precisamente, com a Web 2.0), uma nova forma social de comunicação teria surgido. Esse novo modo de se comunicar se traduz pelo maneira pela qual a informação pode ser difundida: cada vez mais, a produção individual se torna passível de atingir as massas (algo inimaginável há algum tempo atrás). É mais ou menos como diz a propaganda televisiva do iG: o mundo é de quem faz (e, na Internet, todo mundo pode fazer… :P).
Alguns excertos do artigo de Manuel Castells podem ser conferidos no blog “SociétiQ” (em francês). Via eCuaderno (encontrado originalmente pelo StumbleUpon).

Update 16/08/06: link para o artigo completo (traduzido) no Le Monde diplomatique Brasil. Parece meio incongruente ter acesso à tradução, mas não ao texto original em francês… o.0 😛

Todos somos jornalistas

No mesmo sentido, a reportagem do El País, intitulada “Todos somos periodistas”, enaltece o chamado “jornalismo cidadão”. Com as facilidades trazidas pela Internet, a informação estaria vivendo uma nova revolução: qualquer um pode contribuir para a construção dos conteúdos nos novos meios de comunicação. A reportagem também menciona Wikipedia, YouTube, Technorati, e mais uma penca de serviços que estão em voga ultimamente.
Entretanto, mesmo com intensa participação do cidadão, o papel dos jornalistas não estaria arruinado. Alguém ainda precisaria desempenhar o papel de selecionar o que pode vir a ser relevante para a população. A mídia tradicional permaneceria ocupando o lugar central no papel de manter os cidadãos informados. Mas ela tem muito a ganhar com a participação cada vez mais ativa de seu público, através de opiniões ou de contribuições.

Marcadores:

1 ano de blog

Meu blog está completando* um ano. Para comemorar, resolvi fazer aquilo que todo final de ano tem, mas que ninguém tem coragem de admitir que não agüenta mais ver pela frente: uma retrospectiva! \o/ Então aí vai, um post por mês, escolidos com base no que eu mais me diverti fazendo (qualquer critério de escolha que eu adotasse seria amplamente discricionário).

* Actually… a data oficial de aniversário da primeira postagem já passou. Mas faça de conta que hoje ainda é 4 de agosto e aprecie a lista abaixo como se hoje fosse ontem 😉

2005
Agosto: Suspense
Ficção.
Setembro: Lições Fundamentais de “A Fantástica Fábrica de Chocolates”
Crítica de filme.
Outubro: Anedotas de Relógios ou Como desembalar um sofá com uma tesourinha de primeira série
Humor/Fatos da vida.
Novembro: Tirinha do Snoopy
Semiótica.
Dezembro: Entediante ou Ma Français est trés bizarre
Reflexões absurdas/Francês.

2006
Janeiro: Jornalismo online
Resenha.
Fevereiro: O respeito às religiões e a liberdade de expressão
Opinião.
Março: A progressão de regime em crimes hediondos
Opinião.
Abril: Desmistificando o mito de que o Orkut vai ser pago
Reflexões absurdas.
Maio:Um domingo qualquer
Ficção + Fatos da vida.
Junho: Construindo uma máquina do tempo ideal
Reflexões absurdas.
Julho: Três telefonemas
Ficção.

Gostaria de agradecer a todos que visitam o meu blog 🙂 (tanto os que comentam quanto os lurkers…) 😀 Sem vocês, este blog não seria o mesmo (— ou sequer existiria!).

Imprensa e democracia

“A luta entre o govêrno e a imprensa é a melhor proteção das nossas liberdades. Um govêrno que controlasse uma imprensa subserviente ou uma imprensa que não excercesse restrições sôbre o que é escrito – tanto um quanto a outra poderiam ser o fim da democracia” (p. 82)

Basicamente, isso é tudo o que consegui extrair do livro “A Impresa – sua importância na democracia”, de Duane Bradley. Mesmo sem graça e com conteúdo que beira o óbvio, nada supera o fato de eu ter encontrado um livro de jornalismo da década de 60 perdido numa das estantes da biblioteca da faculdade de Direito 😛 Viva a transdisciplinariedade!
Obs.: o livro só foi retirado 4 vezes da biblioteca nos últimos 10 anos. Aparentemente, são/somos poucos os interessados no mundo jurídico e jornalístico ao mesmo tempo… 😛

Marcadores: